20°C 29°C
Feira de Santana, BA
Publicidade

Médico usa peruca e batom para atender paciente após ataque homofóbico

Caso aconteceu neste domingo (4), em Feira de Santana

05/06/2023 às 11h31
Por: Site Feira 24 Horas
Compartilhe:
Médico usa peruca e batom para atender paciente após ataque homofóbico

Profissionais e pacientes que estiveram no Hospital da Mulher, em Feira de Santana, foram surpreendidos por ofensas homofóbicas proferidas contra um médico, na tarde deste domingo (4). Quando soube do ocorrido, o obstetra e colega da vítima, Carlos da Costa Lino, tomou uma atitude inusitada: ele colocou uma peruca e se maquiou para atender a paciente grávida, que ofendeu o colega homossexual. 

Logo depois de uma consulta, a mulher teria dito, no corredor da unidade hospitalar, que “não gostava de ser atendida por viado”. O profissional que realizou o atendimento ouviu a ofensa e foi conversar com a paciente, que repetiu a fala. 

Quando soube do ocorrido, Carlos da Costa convenceu o colega a ir até à delegacia e pediu para um carro de aplicativo buscar a sua peruca. Com o amigo fora do hospital, Carlos da Costa se maquiou e atendeu a grávida, que passou para os seus cuidados.

“Eu fiz isso especialmente para atendê-la. Fiz isso para ela ver que uma pessoa homossexual pode atendê-la bem. Durante a consulta ela chorou, conversamos e ela se desculpou”, contou o obstetra em entrevista à reportagem. 

Além de médico, Carlos da Costa atua como drag queen e compartilha suas performances em seu perfil no Instagram, onde acumula mais de 13 mil seguidores. Na rede social, atende por Diamann Nefer, seu nome artístico. 

Em seu perfil, o obstetra divulgou dois vídeos em que relata o ocorrido. “Vivendo e vendo situações constrangedoras onde a gente menos imagina. Todos nós sabemos que homofobia é crime e imagina desacatar um profissional que esteja exercendo seu trabalho de forma digna e humana”, desabafou. Carlos da Costa trabalha no hospital municipal há 12 anos. 

Em nota, a Fundação Hospitalar de Feira de Santana, responsável pelo Hospital da Mulher, se solidarizou com o profissional ofendido e disse que não tolera qualquer tipo de discriminação. A unidade é localizada no bairro Jardim Cruzeiro.

“Nós, da Fundação Hospitalar, gostaríamos de, publicamente, prestar nosso apoio e solidariedade ao colaborador do Hospital Da Mulher que trabalha como plantonista e, durante o exercício do seu trabalho, foi vítima de um crime de ódio”, pontuou a Fundação.

A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) foi procurada, mas não retornou. A Polícia Civil não informou sobre o registro da ocorrência. 

Homofobia

Em 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu equiparar os crimes de homofobia e transfobia como racismo. Desde então, a homofobia se tornou crime inafiançável e imprescritível. A Lei nº 7.716/89 determina pena de um a três anos de reclusão, além de multa.  

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Denilson Souza Santos Há 1 ano Feira de Santana Essa paciente foi em busca de atendimento médico,profissional técnico,ou ela estava querendo putaria? A opção sexual do profissional não importa!
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias