19°C 28°C
Feira de Santana, BA
Publicidade

Médico denuncia homofobia de paciente em hospital em Feira de Santana

Caso aconteceu em Feira de Santana e foi confirmado pela direção do hospital, que manifestou apoio ao trabalhador. Em protesto, colega médico atendeu paciente usando peruca e maquiagem.

05/06/2023 às 11h34 Atualizada em 05/06/2023 às 11h38
Por: Site Feira 24 Horas
Compartilhe:
Médico denuncia homofobia de paciente em hospital em Feira de Santana

Um médico do Hospital da Mulher de Feira de Santana, denuncia ter sido vítima de homofobia na unidade, no domingo (4). Após uma consulta, uma paciente teria dito que "odiava ser atendida por homossexual". O hospital confirmou a situação e manifestou apoio ao profissional.

O médico, identificado como Phelipe Balbi Martins, é ginecologista. Ele usou as redes sociais para explicar o caso. Ele contou que a paciente foi direcionada para outro médico, para que o atendimento fosse finalizado. Em protesto com a situação ocorrida com o colega, o médico Carlos Vinícius decidiu atender a mulher de peruca e batom.

"Agradeço ao meu amigo Dr. Carlos Vinícius Costa Lino pelo atendimento de peruca e batom para enfatizar que independente da orientação sexual o atendimento realizado é o mesmo", disse a vítima.

Carlos Vinícius, que também é ator, gravou um vídeo onde aparece maquiado logo antes de finalizar o atendimento da paciente. Ele considerou a situação de homofobia como "constrangedora".

"Vivendo e vendo situações constrangedoras onde a gente menos imagina. Todos nós sabemos que homofobia é crime, imagine desacatar um profissional que está exercendo seu trabalho de forma digna e humana", desabafou.

A paciente foi atendida pelo médico com os adereços e, após a consulta, ela teria dito que estava disposta a pedir desculpas pela atitude homofóbica que teve com o outro funcionário da unidade de saúde. No entanto, não foi informado se houve alguma retratação por parte da mulher.

O médico vítima de homofobia contou que registrou a situação na ouvidoria do hospital, e em seguida retornou para o plantão e trabalhou normalmente.

"A luta é diária! Denunciem todo tipo de preconceito e violência. E contem comigo para denunciar também", escreveu na publicação.

Já o hospital publicou uma nota de repúdio em uma rede social e disse não tolerar preconceitos na unidade de saúde. Na manhã desta segunda-feira (5), o g1 procurou a Polícia Civil, que informou que até o momento não havia localizado ocorrência sobre o caso.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias