19°C 28°C
Feira de Santana, BA
Publicidade

Pentágono afirma que Rússia lançou arma espacial capaz de destruir satélites

Segundo o governo americano, equipamento russo foi colocado na “mesma órbita” que um satélite do governo dos EUA – e provavelmente já está rastreando o dispositivo espacial

22/05/2024 às 20h31
Por: Site Feira 24 Horas
Compartilhe:
reprodução
reprodução

O Pentágono divulgou um alerta de que Vladimir Putin lançou um sistema de armas no espaço, capaz de destruir outros satélites. Segundo o governo americano, o equipamento russo foi colocado na “mesma órbita” que um satélite do governo dos EUA – e provavelmente já está rastreando o dispositivo espacial.


O objeto espacial russo que se acredita ser o Cosmos-2576 foi lançado em 16 de maio em um foguete transportador Soyuz-2.1b do Cosmódromo de Plesetsk, na Rússia, cerca de 797 quilômetros ao norte de Moscou. Está agora na mesma órbita do satélite espião americano USA 314, operado pelo National Reconnaissance Office dos EUA. Uma fonte russa não oficial afirmou que o lançamento continha um “dispositivo militar secreto”.


Embora tenha sido anteriormente relatado como um satélite espacial russo, os EUA alertaram agora que poderia ser uma arma antiespacial capaz de atacar outras tecnologias semelhantes.
O porta-voz do Pentágono, Brig Gen Pat Ryder, fez um pronunciamento em uma coletiva de imprensa ontem: “A Rússia lançou um satélite na órbita baixa da Terra que avaliamos ser provavelmente uma arma contra-espacial. Ele foi implantado na mesma órbita de um satélite do governo dos EUA e as avaliações indicam ainda características semelhantes às cargas úteis de contra-espaço implantadas anteriormente de 2019 e 2022. Continuaremos a monitorar a situação... temos a responsabilidade de estar prontos para proteger e defender o domínio espacial e garantir apoio contínuo e ininterrupto à força conjunta e combinada."


A agência espacial estatal russa Roskosmos disse que o lançamento era “no interesse do Ministério da Defesa da Federação Russa”.


Uma autoridade dos EUA disse à CNN que os EUA esperavam o lançamento há várias semanas. Foi monitorado de perto pelo Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte, bem como pelo Comando Norte dos EUA.
Na terça-feira, Moscou acusou os Estados Unidos de quererem lançar armas no espaço depois que Washington vetou uma proposta russa sobre a não-proliferação às Nações Unidas. Nos últimos meses, as duas superpotências acusaram-se mutuamente de querer lançar armas no espaço. Neste contexto, Washington e Moscou apresentaram diferentes propostas de não-proliferação às Nações Unidas. A Rússia vetou a iniciativa americana em abril, enquanto a proposta de Moscou foi bloqueada pelos EUA, Reino Unido e França na segunda-feira.


Os EUA têm procurado cada vez mais dissuadir a Rússia de desenvolver uma capacidade de ataque nuclear espacial - temendo que isso pudesse desencadear uma enorme onda de energia que paralisasse os satélites comerciais e governamentais utilizados para celulares e para a Internet. Tal arma nuclear russa ainda não está em órbita, pelo que se sabe.


Os chefes de inteligência dos EUA, no entanto, alertaram em fevereiro que a Rússia planeja lançar armas nucleares no espaço que destruiriam satélites, numa ameaça “grave” à segurança mundial.
Especialistas militares alertaram que Putin tomaria a decisão de lançar armas se sentisse que seu poder estava ameaçado pela Ucrânia e pelo Ocidente.


Juliana Suess, analista de pesquisa do Royal United Services Institute (RUSI), disse ao jornal "The Sun" que seria “errado” pensar que Putin não “sacrificaria tudo” ao disparar armas nucleares para o espaço.
Para David Jordan, codiretor do Freeman Air & Space Institute do King's College London, Putin poderia ter a desastrosa reação instintiva de lançar armas nucleares no espaço se sentisse que a guerra na Ucrânia iria terminar com a sua remoção do poder.


Já Putin – juntamente com o ex-ministro da Defesa, Sergei Shoigu – disse que Moscou “sempre foi categoricamente contra a guerra espacial e agora é contra a implantação de armas nucleares no espaço”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias