OLÍVIO FARMA - BANNER TOPO
BOLSA FAMÍLIA

Governo Bolsonaro avalia mudar o Bolsa Família para construir uma 'marca social'

A equipe econômica encomendou um estudo ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre o assunto.

01/09/2019 17h16
Por: Rodrigo Santos

O governo do presidente Jair Bolsonaro planeja a maior reformulação já feita no “Bolsa Família” desde a sua criação, há 15 anos, segundo o jornal O Globo. A equipe econômica encomendou um estudo ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre o assunto. 

De acordo com a publicação, a proposta do Ipea unifica quatro benefícios que hoje custam aos cofres públicos R$ 52 bilhões por ano e contemplam 80 milhões de pessoas: Bolsa Família, salário-família, abono salarial e dedução de dependente no Imposto de Renda (IR).  Os pesquisadores sugerem unificar esses programas para criar um “super Bolsa Família”, como tem sido chamado pelos técnicos do governo. Custaria os mesmos R$ 52 bilhões, mas cobriria 92 milhões de beneficiários. 

A principal novidade da proposta é a criação de um benefício universal, de R$ 45, pago a todas as crianças e adolescentes do país de até 18 anos, independentemente da renda familiar.

Um segundo benefício seria voltado a crianças de 0 a 4 anos de famílias pobres, com renda de até R$ 250 por pessoa — linha de corte maior que a atual. Se, depois desses dois tipos de repasse, a renda familiar continuar abaixo desse limite, haveria ainda um benefício extra de R$ 44 por pessoa. O plano é visto como uma forma de construir uma “marca social” para o governo Jair Bolsonaro, marcado até agora por medidas de ajuste fiscal, como a reforma da Previdência.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias